Arquivo da tag: Reta Tabajara

Eu, Papillon e as azeitonas roxas

bandeiradobrasil

Eu, Papillon e as azeitonas roxas

Outro viagem para a Pipa. Foto: Daniel Araújo
Outro viagem para a Pipa. Foto: Daniel Araújo

Texto: Marígia Mádje Tertuliano,  economista, pesquisadora e amante do ciclismo

            O ciclismo está de “vento em popa”, em todo o mundo! A brincadeira de criança toma proporções enormes e leva o cidadão à melhoria da qualidade de vida, a invadir a paisagem em busca de aventura, à integração com a natureza e a ganhar as ruas e as estradas, para “girar”. A atividade que, de solitária nada tem, promove a criação de grupos, que surgem nas diferentes localidades e integram diferentes perfis. Apesar de ecléticos, primam pela identidade e organização, cujas amizades construídas ultrapassam, muitas vezes, os pedais.

Eu entrei nessa brincadeira, por acaso, e comecei a desvendar a beleza, que é pedalar. Entre as minhas aventuras – na cidade ou na estrada –  está a ida à João Pessoa, contra o vento, diga-se de passagem, e que me fez refletir o quanto querer é poder.

Depois de Jampa, lancei-me em outro desafio – ir à Nova Floresta/PB, minha terra, que fica a 173 km de Natal. Seriam muitos quilômetros de pura felicidade – eu, Papillon e meu amigo, Mario Rolim – estudante de engenharia elétrica, que, “quando cisma”, coloca a mochila nas costas e cria roteiros de tirar o fôlego.

Foto: Marígia Mádje
Foto: Marígia Mádje

Assim, em um dia de fevereiro, imitando o Mário, coloquei o pé nos pedais e, em sua companhia, girei no asfalto. Ao longo do caminho, muitas surpresas e maravilhas escondidas – riachos, frutos exóticos e paisagens divinas, além de azeitonas roxas.  A “alameda das azeitonas”, como denominei, é um lugar especial, perto de Natal, repleto de azeitoneiras centenárias, que margeiam o asfalto repleto de veículos e suas fuligens, onde bicicletas e seus condutores brigam por espaço, para verem o dia nascer feliz.

 

bikeblog2fim
Quase em João Pessoa. Foto: Saulo Gomes

E aí, leitor, conheces algum lugar assim? Não?

Pois é! Este lugar existe e é lindo! As azeitoneiras estão lá – doces, suculentas, enormes e enfeitando a paisagem com seu cheiro e sabor inigualáveis, convivendo, harmoniosamente, à margem de um riacho, de água limpa e corrente, com os cajueiros e mangueiras, assim como as seriguelas, para saciarem a fome de ciclistas curiosos, dos andarilhos e de todos os animais daquele ecossistema.

Foto: Mário Rolim
Foto: Mário Rolim
Foto: Mário Rolim
Foto: Mário Rolim

 

À frente do meu giro, elas se debruçaram sobre o acostamento e chamaram a minha atenção, pelo bordeaux de suas frutas, caídas no chão, formando um tapete; pelo brilho de suas folhas, molhadas pelo orvalho da manhã, e pelo cheiro característico que exalavam. Elas, imediatamente, fizeram-me voltar à infância e às férias na casa do meu Vô Barreto. Tempo onde ir à casa de Dona Cidônia, comprar as frutinhas – que vinham enroladas, delicadamente, em cones de papel madeira e que faziam a alegria das crianças da cidade – era motivo de felicidade.

Foto: Mário Rolim
Foto: Mário Rolim

Enfim, poderia passar horas descrevendo as emoções que senti ao encontrá-las, mas retorno à pergunta: já descobriu onde fica essa maravilha? Não?

Pois, é! Em meio ao asfalto, quente ou frio, elas embelezam a Reta Tabajara –  aonde milhares de carros se espremem, para que seus motoristas cheguem aos seus destinos, e a velocidade é um dos empecilhos, para que estes apreciem o belo. Na Reta, mais uma vez, descobri que eu e Papillon, somos unas, nos giros da vida, e que as belezas escondidas nas distâncias, a exemplo de Nova Floresta, são detalhes de um dia de pedal, que só enxerga quem entende o prazer de pedalar.

Observação: se você quiser continuar “viajando” com o nosso blog, clique no botão “seguir” localizado no canto inferior direito dessa página. Você receberá um email com um link para confirmar a assinatura desse blog (não paga nada). Quando clicar no link, você será direcionado para uma página em inglês (essa página explica o procedimento no caso de você desejar um dia parar de seguir o blog). A partir daí, você já está “seguindo” o blog.