Veneza é um sentimento

Veneza é um sentimento

IMG_5810

Texto: Marjorie Madruga, procuradora do Estado, nascida e moradora em Natal, RN – que também é, quando brilha o sol e se está diante do mar, uma “felizcidade”.

Foto: Erich Ettensperger

Desde o primeiríssimo instante que meus olhos encontraram Veneza – ainda saindo da estação de trem – senti um arrebatamento, uma emoção inexprimível, uma falta de ar. E uma vontade imensa de chorar. E chorei. Fui atacada pela “Síndrome de Stendhal”, todos os dias naquela terra de sonho. É beleza em excesso para um só coração e, infelizmente, temos apenas um. Haverá algo mais belo? Mais inusitado? Mais especial e único?

Veneza é mais que uma città. É um sentimento que exige, como o amor, todos os sentidos. Uma città para mudar a nossa vida, assim como os grandes amores. Veneza é um exemplo de permanência, ainda que possua um ar de fragilidade. Uma combinação harmônica, mágica e fatal de beleza, valor histórico, arte, romantismo, sedução.

Cada cidade certamente tem um cheiro e um som próprio. A música de Veneza é composta do som das águas, dos passos, vozes e sinos tocando. Solamente. Veneza não é apenas uma città única. É uma experiência emocional única. Uma città dentro do mar, criando caminhos d’água e uma rotina de vida anfíbia. Como não ser meio anfíbio alí? Como, vivendo há anos na água, não se ter guelras e escamas? Veneza casou com o Mar. Casamento que anualmente é lembrado numa cerimônia solene, quando seus habitantes voltam às águas do Adriático, procuram bancos de areia – origem da construção da cidade – e lançam sobre suas ondas não mais pedras ou blocos de argila, mas alianças e alianças, que reafirmam o casamento e o amor que alí se inaugurou há 1.500 anos.

É estranho olhar seus habitantes exercendo hábitos banais e cotidianos. Mas há em todos os venezianos uma relação de amor, e também de ódio – segundo me disseram – com a città. Penso que quem aqui viveu toda a vida não pode ser igual aos demais mortais. Não é possível. Veneza impõe reverência e solenidade. Sentia-me sempre andando de joelhos. Lentamente, contemplativamente, silenciosamente. Prendendo a respiração. Porque ela impõe silêncio, contemplação, devoção, entrega. Veneza nasceu de uma quimera, e suas origens realçam sua vocação para o sonho e sua atmosfera irreal. Em que tempo se vive alí? Tudo alí arranca suspiros – La Città dei Sospiri. Não é uma città para a contemporaneidade. Talvez por isto seus jovens partam, buscando o futuro. Ou será o espírito de seus navegadores, sempre em busca de aventuras, ousadias, novos mundos, novos desafios, que os inspiram? Seguramente Veneza não seria a mesma sem eles. O espírito destes a fez. E fico pensando neste espírito de aventura, de desbravamento de seus navegadores, que queriam trazer o mundo para Veneza.

Veneza foi ao Oriente e enfeitou-se, para enfeitiçar. É uma città profundamente feminina. Bela e sensual. E misteriosa. Talvez a mais feminina de todas as cidades. Mas tudo que trouxe do Oriente – especiarias, perfumes, sedas, veludos, pedras preciosas, arquitetura – assimilou com personalidade e originalidade. E depois parou. Há 500 anos. Obra perfeita que é. Esplêndida e irreal.

Alí todos os ângulos são belos. E se vê além do visível. A cidade fascina pela convivência da arquitetura árabe – imponente e rica – contrastando com a simplicidade das casinhas italianas; pelo luxo dos interiores barrocos, pelas janelas floridas e velhas roupas estendidas – acenando adeuses ou boas vindas?

É uma cittá que desperta o sagrado e o profano – St. Marco, St.Salute/ Carnaval, Casanova. É poesia. Um poema curto e profundo. Emocional e não racional, mas que não abre mão da forma. Uma città de caminhos labirínticos como o amor. Perde-se sempre, ainda que com mapas. Mas existem mapas para o amor?

Veneza exige alma – e corpo, a completude. Exige mais coração que cabeça . Veneza vive numa “era” que não mais existe. Não digo que não seja uma città triste. Mas ela imprime calma, paz, quietude… É uma città silêncio. È uma città para ser vivida a dois. É romântica demais para um. Potencializa qualquer solidão. O silêncio, a beleza, o romantismo que está impregnado alí pede acasalamento.

Subitamente senti-me profundamente íntima de tudo ali. Par a passo com uma certa melancolia, como se tivesse perdido algo ali. Tive um sentimento de perda…O que perdi?

Descobri uma Veneza de “campos” – como os venezianos chamam suas praças -, com árvores, crianças jogando bola, velhos sentados nos bancos e pais brincando com seus filhos. Uma Veneza um pouco estranha para a imagem fabricada e cultivada que existe em cada um de nós , que consiste em uma Veneza de águas, gôndolas e becos estreitos. Aliás, estes becos são, em todos os sentidos, becos de perdição….Em alguns deles se perdeu Dirk Bogart, borrou aflito a maquiagem na busca desesperada pela beleza inatingível de Tadzio no belo Morte em Veneza.

Eles ritmam, também, a vida tranqüila, sem pressa. Não é a toa que é conhecida como La Sereníssima.

Não existem referências para se conhecer Veneza. Sempre se chegará lá em estado “bruto”, despreparado para sua beleza estonteante. É uma terra do além. Quando o vaporeto partiu no meu primeiro dia , no meio das brumas, pensei que estivesse adentrando em um sonho…

Se um dia me perguntarem quando entrei em “êxtase de beleza”, responderei seguramente: em VENEZA.

Como, depois de Veneza, habituar os olhos às cidades comuns?”

Para conhecer mais sobre Veneza, clique aqui.

Venezia
Veneza, Venezia

 

Monte Roraima: jornada espiritual e de grande beleza

“Jogando meu corpo no mundo,
Andando por todos os cantos
E pela lei natural dos encontros
Eu deixo e recebo um tanto (…)”
(Mistério do planeta – Luis Galvão/Moraes Moreira)

Blog Monte R 15

Texto e fotos: Anne Rocha – 32 anos, aventureira incorrigível, jornalista viciada em endorfina e especializada em Educação e Tecnologia.

Desde 2010, me dedico a fazer viagens que acrescentem leveza à minha alma e reiniciem o meu sistema operacional, me ajudando a enfrentar o dia a dia corrido de jornalista. Destinos como Chapada Diamantina, Jalapão e Sertão mineiro, das quais guardo ótimas lembranças e lindas fotos, me tornaram sem dúvida uma pessoa melhor.
Minha última aventura foi conhecer o Monte Roraima, na Venezuela, em outubro de 2015. O lugar já estava na minha lista há tempos, mas adiei um pouco, esperando que a febre da novela global “Império” (cuja ficção remetia ao Monte) passasse, fator que onerou bastante o preço da viagem durante um período. Pesquisa daqui em blogs de mochileiros, pechincha dali, entrei em contato com a única agência brasileira habilitada pela Embratur a guiar aventureiros na trilha do Roraima. Há empresas venezuelanas que oferecem o serviço, mas infelizmente, por questões de (in)segurança é mais difícil para mulheres sozinhas – como era o meu caso – atravessar a fronteira Brasil/Venezuela, fazer câmbio e demais trâmites necessários à viagem sem conhecer a região. Então, optei por começar meu roteiro na cidade de Boa Vista, capital do estado de Roraima, extremo norte do país. Foi lá que conheci as pessoas que me acompanhariam nos nove dias seguintes e que se tornariam minha família. A Família Roraima, que ainda tem muito a desbravar juntos pelo mundo a fora!

Família Roraima
Família Roraima

Também foi lá onde ouvi o briefing mais realista de todas as viagens que já fiz. A trilha nem de longe é fácil, se você pensa em visitar o Monte Roraima, falo sério, prepare-se e não tenha frescura. Aliás, é uma boa hora para despertar o lado guerreiro espartano que temos escondido dentro de nós. Toda atenção ao caminho é pouca: longas caminhadas diárias, temperaturas que não deixam a desejar a qualquer deserto (quente durante o dia, frio pacas durante a noite), animais peçonhentos, MUITOS mosquitos.

Longas caminhadas
Longas caminhadas

As maiores dicas para aproveitar bem a experiência é levar a sério as orientações que os guias lhe passam, abusar do protetor solar, do repelente, do Clorin e evitar ao máximo acidentes que necessitem de resgate – feito só por meio de helicóptero e quando as condições climáticas permitem.
Porém, não se assuste… acredite, a viagem vale totalmente a pena, cada segundo dela. Qualquer risco é compensado ao ver as paisagens mais inacreditáveis e ao sentir o coração palpitar ao perceber a pulsação de cada pedra. Fauna, flora e formações rochosas que só existem ali, preservadas e quase intocadas, há milhões e milhões de anos.

Blog Monte R 8
Flora local
Eu, extasiada com tanta beleza.
Formações rochosas que só existem ali.

O Monte Roraima é um dos sete tepuis que compõem a região chamada de Gran Sabana e é frequente a sensação de que o tempo por aquelas bandas não passou, que um dinossauro pode aparecer na sua frente a qualquer momento (depois fui descobrir que cenas do primeiro Jurassic Park foram filmadas por lá, rs). Geologicamente, constituem uma das formações mais antigas do planeta, datando do período pré-cambriano.
Saindo de Boa Vista, cruzei a fronteira com meu grupo, de sorriso no rosto, mochilão, bolívares (moeda corrente), certificado de vacinação internacional (vacina contra febre amarela em dia é obrigatória) e RG em punho (Venezuela e Brasil fazem parte do Mercosul, prescindindo de passaporte na alfândega). Passamos uma noite em Santa Elena de Uiarén e seguimos para o Parque Nacional Canaima, onde fica a aldeia indígena Paratepui, início efetivo da subida até o Monte.

Parque Nacional Cannaima, Venezuela
Parque Nacional Canaima, Venezuela
Arco-íris: surpresas no caminho.
Arco-íris: surpresas no caminho.

Daí para a frente, os dias foram intensos, plenos de experiências incríveis que mudaram a minha vida. A energia do lugar é tão forte que lhe sacode a alma: o Tepui é vivo! Acordávamos às 4h30 cheios de disposição e dormíamos com frequência antes das 20h, só com a luz das estrelas e da lua. A cada dia, sob as bençãos de Makunaima, entidade protetora da região, eram novas belezas, descobertas e aventuras nos quase 3000 mil metros de altitude. Rios, cachoeiras, rochas erodidas que se assemelham às construções do Camboja, cavernas que servem de acampamento, vales cobertos de cristais, marco da tríplice fronteira (Brasil, Guiana, Venezuela), jacuzzis com água a 15 graus – compensando os mais corajosos com alívio e recuperação dos músculos, tendões e articulações -, nuvens que passam “dentro de você”.

As águas transparentes das piscinas naturais.
Jacuzzis com água a 15 graus
Nosso acampamento.
Nosso acampamento.
A beleza da paisagem a partir da tenda onde acampamos.
A beleza da paisagem

São paisagens de tirar o fôlego e não desgrudar os olhos.

Nuvens e o Monte Roraima, ao fundo.
Nuvens e o Monte Roraima, ao fundo.

Ainda faltaram muitos lugares para conhecer, tanto no topo quanto ao longo do Parque; voltarei. Porém, nem só disso é feito o Monte Roraima. Ele é composto, sobretudo, por pessoas maravilhosas. Para além dos companheiros caminhantes, sempre prontos para uma prosa, uma palavra de incentivo, uma mãozinha, um afago, pude contar com os melhores guias e carregadores locais. Bravas mulheres e homens indígenas com quem aprendi e me emocionei demais, que cuidaram de nós com muito carinho e estavam sempre prontos a ajudar, nas pequenas e grandes dificuldades que pudessem aparecer. Que nos contavam histórias e lendas com brilho nos olhos, nos inspirando o devido respeito para com o local e nos fazendo perceber o quanto a alma deles é intimamente ligada àquele tepui. Um misto de seres fantásticos protetores, preservação, cultura e ancestralidade que hipnotizam e não dão vontade de ir embora.

Blog Monte R 13
O Monte Roraima é composto, sobretudo, por pessoas maravilhosas.

Resumindo a viagem em duas palavras, posso dizer: mãos estendidas. Foi uma jornada espiritual, de autossuperação, autoconhecimento e afeto, em que dei e recebi só o melhor. Na volta ao Rio de Janeiro, onde moro, passei dias chorosa, sentindo falta da tranquilidade desconectada, da calmaria alentadora, da sensação de absurda liberdade e da paixão arrebatadora que vivi por lá (sim, essas coisas não acontecem só em filmes, rs). E cada vez mais me convenço de que a vida só vale a pena se nos permitimos fazer viagens que nos arremessem para fora da nossa zona de conforto, que nos desafiem, fazendo com que vivenciemos experiências maravilhosas. Meu conselho: permita-se, sempre é tempo!

Blog Monte R 10
Monte Roraima: beleza espetacular
Vista deslumbrante a partir do Monte Roraima.
Vista deslumbrante a partir do Monte Roraima.

Bremen, a cidade dos animais músicos

bandeiradobrasil

Bremen, a cidade dos animais músicos

A primeira vez que ouvi falar sobre Bremen foi através de um conto dos Irmãos Grimm, aquele que conta a estória dos animais que eram músicos e assustaram um bando de ladrões. Foi a escultura que retrata esses animais músicos, localizada nos fundos da prefeitura  (Rathaus, em alemão), de Bremen que vi primeiro no centro da cidade.

O coração de Bremen é constituído pela praça do mercado, pela prefeitura, pela Catedral. É nesse local onde está localizada a famosa estátua “Roland”. Mas, o que chama mesmo a atenção do visitante é a beleza do edifício da prefeitura, um dos mais belos prédios que vi naquela viagem. O centro de Bremen reúne belos exemplares arquitetônicos. Nas proximidades dessa área, caminhamos uns 10 minutos e chegamos numa área constituída por ruas estreitas, fruto de um traçado medieval, uma área definitivamente deslumbrante, conhecida como Schnoor. Hoje esse pedaço de Bremen abriga lojas, ateliês de artistas, cafés e restaurantes. Há alguns metros dali, se caminha mais um pouco e chega-se às margens do Rio Weser. Lá, existe uma concentração de bares e restaurantes, eles são frequentados pelos habitantes de Bremen e pelos turistas que visitam a cidade e ficam lotados e bem animados durante o verão.

Bremen tem muitos espaços verdes, lagos com patos, o que confere um ar romântico à cidade.

Se você gosta de apreciar prédios com linhas arquitetônicas arrojadas, criativas, não deixe de visitar o Centro de Ciências do Universum (veja o post sobre ele aqui), com formas arredondadas, que lembram uma grande espaçonave pousando em um lago.

Bremen é definitivamente uma cidade que vale a pena ser visitada e apreciada.

Para saber mais sobre Bremen, clique aqui.

bandeiradaalemanha

 

Bremen und die Bremer Stadtmusikanten

Das erste Mal hörte ich von Bremen in einem Märchen der Brüder Grimm, das die Geschichte der Tiere erzählt, die Musiker waren und Diebe vertrieben haben. Die Skulptur, die diese Musiker(tiere) porträtiert steht an der Seite des Rathauses.

Das Herzstück von Bremen besteht aus dem Marktplatz, dem Rathaus, der Kathedrale. Dies ist dort, wo ist die berühmte Statue des “Roland” steht. Das faszinierende Gebäude der City Hall war eines der schönsten Bauwerke auf dieser Reise. Das Zentrum Bremens offeriert viele attraktive architektonische Beispiele. Ganz in der Nähe erreichen wir das berümte Viertel “Schnoor” bestehend aus engen Gassen und kleinen farbigen Häusern  mit kleinen Geschäften, Ateliers, Cafés und Restaurants. Ein paar Meter weiter gelangen wir schon an die Ufer der Weser mit einer Vielzahl von Bars und Restaurants, ein sowohl von den Einwohnern als auch den Touristen v.a. im Sommer sehr beliebter und geschätzter Ort zum Verweilen.

Bremen hat viele Grünflächen, Teiche mit Enten, die der Stadt einen romantischen Flair verleihen.

Wenn Sie ein Gebäude mit sehr kreativer Architektur  genießen wollen, dann sollten Sie das Universum Science Center besuchen mit seinen abgerundeten Formen, das sehr an ein großes Raumschiff bei der Landung auf einem kleinen See ähnelnd.

Bremen ist definitiv eine Stadt, die es wert ist, besucht und geschätzt zu werden.

Um mehr über Bremen zu erfahren, klicken Sie hier.

BRITAIN

 

Bremen, the city of musicians animals

The first time I heard about Bremen was through a tale of the Brothers Grimm, which tells the story of the animals that were musicians and scared a bunch of thieves. The sculpture that portrays these musicians animals is located at the town hall.

The heart of Bremen consists of the market square, the town hall, the cathedral. This is where there is also located the famous statue of “Roland”. But what really draws the visitor’s attention is the beauty of the building of the City Hall, one of the most beautiful buildings I saw on this trip. The center of Bremen gathers beautiful architectural examples. Near this area, we walked about 10 minutes and arrive in an area made up of narrow streets, the result of a medieval layout, one definitely stunning area known as “Schnoor”. Today this piece of Bremen is home of small shops, artists’ studios, cafes and restaurants. A few meters away we arrive at the banks of the River Weser. There is a concentration of bars and restaurants, they are frequented by the inhabitants of Bremen and tourists visiting the city and are well animated and crowded during the summer.

Bremen has many green spaces, ponds with ducks, which gives a romantic flair to the city.

If you like to enjoy buildings with bold creative architectural lines, be sure to visit the Universum Science Center (see the post about it here), with rounded shapes, which resemble a large spaceship landing on a small lake.

Bremen is definitely a city that is worth being visited and appreciated.

To learn more about Bremen, click here.

Centro de Bremen/Bremen Zentrum/Bremen Center
Centro de Bremen/Bremen Zentrum/Bremen Center
Os músicos cantantes/Die Bremer Stadtmusikanten/The Bremen city musicians
Os músicos cantantes/Die Bremer Stadtmusikanten/The Bremen city musicians
Show na praça principal/Vorführung auf dem Marktplatz/Show on main square
Show na praça principal/Vorführung auf dem Marktplatz/Show on main square
Prefeitura/Rathaus/City Hall
Prefeitura/Rathaus/City Hall
Schnoor
Schnoor
Centro de Bremen/Bremen Zentrum/Bremen Center
Centro de Bremen/Bremen Zentrum/Bremen Center
Centro de Ciências do Universum
Centro de Ciências do Universum

 

 

Saigon ou Ho Chi Minh City: a cidade das motocicletas

Saigon ou Ho Chi Minh City: a cidade das motocicletas

A imagem que tinha de Saigon era de uma cidade efervescente, com cantoras asiáticas que cantavam nas casas noturnas durante a Segunda Guerra Mundial, quando muitos estrangeiros circulavam por lá, essa era a imagens que eu tinha da Saigon dos filmes.  Visitei a cidade, que continua efervescente, mas devido ao transito caótico. Ho Chi Minh City, o novo nome para Saigon tem uma  população de aproximadamente sete milhões de habitantes e é famosa pelo papel que desempenhou na Guerra do Vietnã.

São cinco milhões e meio de motocicletas que circulam entre os quinhentos mil automóveis. Além das motocicletas tem também as bicicletas. Para nós, ocidentais, a circulação de motocicletas é impressionante. Você vê motos que transportam tubos metálicos para construção com seis metros, moto que transporta grande coroa de flores para funeral, moto que transporta móveis, moto que transporta galinha amarrada pelos pés pendurada no volante da moto e até moto que transporta pequeno santuário de madeira (é comum ver esse tipo de santuário, que se assemelha pequenos templos, nas varandas das casas).  Vi motos com um passageiro, com dois, com até quatro passageiros. Vi também uma mãe amamentando um bebê na garupa de uma moto. Segundo informações prestadas pelo que guia que nos mostrava a cidade, são poucos acidentes que ocorrem nas ruas de Saigon. Mais acidentes ocorrem nas rodovias, onde as pessoas morrem por dirigir embriagadas. Os motoristas apressados que dirigem esses veículos buzinam bastante e dirigem rápido. Todos usam capacete, sem exceção. As mulheres, além do capacete, usam óculos e lenços que cobrem o rosto nas partes onde os óculos do sol não protegem. Usam também proteção de tecido, para os braços, de forma de nenhuma parte fique exposta no sol.  Elas se parecem com ninjas.

No meio da confusão do trânsito, você ver pessoas atravessando a rua com bastante tranquilidade. Apesar do aparente caos, eles respeitam os pedestres.

Dessa forma, concluímos que mesmo caótico para nós, o trânsito flui muito bem entre os vietnamitas, que sabem administrar aquele trânsito sem regras.

Com toda essa movimentação de motos e carros, observamos uma cidade que encontra-se crescendo e melhorando sua infraestrutura. Ainda é preciso muitos anos para que Ho Chi Min possa alcançar o patamar de desenvolvimento de Xangai e Hong Kong.

Para conhecer mais sobre  Ho Chi Minh City, clique aqui.

Incensos oferecidos aos deuses em um templo vietnamita
Incensos oferecidos aos deuses em um templo vietnamita
Motos e bicicletas
Motos e bicicletas
Interior do prédio dos Correios
Interior do prédio dos Correios
Catedral de Notre Dame
Catedral de Notre Dame
Central dos Correios de Saigon
Central dos Correios de Saigon
O barco
O barco
Ho Chi Min City e as motos
Ho Chi Min City e as motos
Saigon ou Ho Chi Minh City
Saigon ou Ho Chi Minh City

Aceita um churrasquinho de escorpião?

bandeiradobrasil

Aceita um churrasquinho de escorpião?

Visitar o Mercado Noturno de Pequim é mergulhar numa atmosfera de cores e exotismo, o que contrasta com seu entorno.

A Rua Wangfujing Dajie, onde acontece o mercado noturno está encravada numa área caracterizada pela presença de arrojados e luxuosos shopping centers e edifícios comerciais, cravejados por anúncios luminosos e atrativos.

O pórtico de entrada da Rua Wangfujing Dajie é colorido e chama a atenção de quem passa. O mercado atrai pelas suas cores e seu cheiro. São várias as lojinhas que vendem artesanato, bijuterias, comidas e bebidas. É enorme quantidade de pessoas que visita esse mercado, são habitantes de Pequim e os turistas. Você caminha com dificuldade. As fotos que ilustram esse post foram feitas com muito esforço.

Mas, o que chama mesmo atenção de todos são os quiosques que vendem os churrasquinhos de escorpião e de serpentes. Eles ficam espetados na varinha ainda com vida, você pode optar com comprar o churrasquinho com o escorpião já frito ou esperar que ele seja frito na hora. Existe aquele turista que gosta de provar, degustar tudo e outros que são mais cautelosos. Eu olhei os escorpiões (tenho pavor deles), vi pessoas saboreando-os, porém, não arrisquei e quando cheguei no hotel não quis mais jantar. Cada um tem um gosto, não é mesmo? Uma amiga minha disse que provaria…

Visitar o Mercado Noturno de Pequim é sem dúvida uma experiência inesquecível para pessoas que apreciam conhecer novas culturas e visitar a China é realmente uma experiência inesquecível!

Para conhecer mais sobre a China, clique aqui.

bandeiradaalemanha

Akzeptiert einen Skorpion Kebab?

Besuchen Sie den Night Market in Peking ist tauchen in einer Atmosphäre von Farbe und Exotik, die mit der Umgebung kontrastiert.

Die Wangfujing Dajie Street, wo passiert, den Nachtmarkt ist in einem Bereich, gekennzeichnet durch das Vorhandensein von mutigen und luxuriöse Einkaufszentren und gewerbliche Gebäude stecken, durch helle und eingängigen Anzeigen besetzt.

Die Eingangshalle der Wangfujing Dajie Straße ist bunt und lenkt die Aufmerksamkeit der Passanten. Der Markt zieht durch seine Farbe und seinen Geruch. Es gibt mehrere Läden mit Kunsthandwerk, Schmuck, Essen und Trinken. Es ist riesige Menge von Menschen, die in diesen Markt besuchen, sind Peking Einwohner und Touristen. Sie gehen nur mit Mühe. Die Fotos, die diesen Posten zu veranschaulichen mit viel Mühe gemacht.

Aber was macht darauf aufmerksam, auch von allen sind die Kioske, die Kebabs Skorpionen und Schlangen zu verkaufen. Sie stecken in der Zauberstab noch am Leben ist, können Sie wählen, um den Grill mit dem Skorpion bereits gebratene kaufen oder zu erwarten, dass es vor Ort gebraten werden. Es gibt ein Tourist, der zu schmecken, probieren alles, was gefällt und andere sind vorsichtiger. Ich schaute Skorpione (bin von ihnen erschrocken), sah ich Menschen genießen, sie aber wollte ich nicht riskieren, und als ich im Hotel ankam wollte nicht bis zum Abendessen. Jeder hat einen Geschmack, nicht wahr? Ein Freund von mir, sagte er zu beweisen wäre …

Besuchen Sie den Night Market, Peking ist zweifellos ein unvergessliches Erlebnis für Menschen, die das Lernen über neue Kulturen zu genießen und China ist wirklich ein unvergessliches Erlebnis!

Um mehr über China erfahren, klicken Sie hier.

BRITAIN

Accepts a scorpion kebab?

Visit the Night Market in Beijing is immerse in an atmosphere of color and exoticism, which contrasts with its surroundings.

The Wangfujing Dajie Street, where happens the night market is stuck in an area characterized by the presence of bold and luxurious shopping malls and commercial buildings, studded by bright and catchy ads.

The entrance porch of Wangfujing Dajie street is colorful and draws the attention of passers by. The market attracts by its color and its smell. There are several shops selling handicrafts, jewelry, food and drink. It’s huge amount of people who visit this market are Beijing residents and tourists. You walk with difficulty. The photos that illustrate this post were made with much effort.

But what draws attention even of all are the kiosks that sell kebabs scorpions and snakes. They get stuck in the wand still alive, you can choose to buy the barbecue with the scorpion already fried or expect it to be fried on the spot. There is one tourist who likes to taste, taste everything and others are more cautious. I looked scorpions (‘m terrified of them), I saw people enjoying them, however, I did not risk and when I arrived at the hotel did not want to dinner. Each has a taste, is not it? A friend of mine said he would prove …

Visit the Night Market, Beijing is undoubtedly an unforgettable experience for people who enjoy learning about new cultures and visit China is truly an unforgettable experience!

To know more about China, click here.

Churrasquinho de serpentes
Churrasquinho de serpentes

 

A variedade de objetos comercializados é grande
A variedade de objetos comercializados é grande
Máscaras chinesas
Máscaras chinesas
Outras iguarias são vendidas no mercado
Outras iguarias são vendidas no mercado
Muita gente visitando o mercado
Muita gente visitando o mercado
Churrasquinho de escorpião
Churrasquinho de escorpião
Churrasquinho de escorpião
Churrasquinho de escorpião
Mercado noturno de Pequim
Mercado noturno de Pequim

Ilhas Gregas, belezas espetaculares

bandeiradobrasil

Ilhas Gregas, belezas espetaculares

A Grécia está localizada na Europa Oriental, entre os mares Mediterrâneo, Egeu e Jônio, é um país montanhoso. Existem mais de 2 mil ilhas gregas, apenas 100 são habitadas. São vários os eventos que acontecem  nessas ilhas de acordo com a estação do ano, há festas religiosas, carnavais antes da Quaresma, celebrações de colheitas locais, além de festivais com origens antigas, oriundas das festas pagãs. Quando eu penso em Grécia me lembro do meu livro de História Geral, de Osvaldo R. de Souza que me acompanha desde os tempos do ginásio. Nessa publicação, quando estudei pela primeira vez esse país, ele apareceu no capítulo das Civilizações Clássicas.

Quando Erich e eu decidimos visitar a Grécia, fui invadida por um sentimento de emoção e grande curiosidade. Lembro-me bem, chegamos em Atenas (assunto para outro post) de madrugada. Tomamos um táxi e fomos direto para o Porto de Pireus e lá aguardamos o amanhecer para embarcarmos em um daqueles barcos rápidos (em inglês: ferry boats, eles podem ser High Speed, bem rápidos ou os convencionais, são mais lentos) para visitarmos três ilhas: Mikonos, Santorini e Ios.

Primeiro, visitamos Mikonos. O cartão postal da ilha é a imagem dos moinhos com detalhes pintados na cor vermelha e as casas brancas com janelas e portas azuis. Mikonos possui um centro com ruas estreitas com muitas lojinhas, restaurantes, bares e muita vida. É verdadeiramente um lugar de charme e beleza. Nas margens do mar, tem muitos barcos com polvos pendurados nas velas, é um cenário que pode ir direto para uma tela de cinema, de tão bonito que é. O lugar tem muitos bons restaurantes, a comida é deliciosa acompanhada de um vinho grego chamado Retsina, uma delícia.

De Mikonos, é possível ir de barco até Delos, um dos mais importantes sítios arqueológicos da Grécia, foi um importante centro religioso, depois passou a ser um porto comercial muito ativo.

Ios é famosa pela badalação noturna, pelas suas belas praias e por ter mais de 400 capelas. É também o lugar onde Homero foi enterrado. As discotecas, as casas brancas, os domos (é a parte aparente das cúpulas) azuis das igrejas e os muitos bares atraem muitos turistas.

A ilha de Santorini, ilha vulcânica é simplesmente espetacular. Segundo lendas locais, Santorini é o reino perdido de Atlântida.Essa ilha entrou em erupção em 1450 A.C. e por isso, tem a forma de uma lua crescente. Dos muitos lugares que eu já visitei na vida, considero Santorini com um dos mais impressionantes pela sua beleza!

Para conhecer mais sobre a Grécia, clique aqui.

bandeiradaalemanha

 

Griechische Inseln, spektakuläre Schönheit

Griechenland liegt in Osteuropa zwischen dem Mittelmeer, der Ägäis und  Ionischen Meer und ist ein gebirgiges Land. Es gibt mehr als 2000 griechischen Inseln, davon sind nur 100 bewohnt.

Es gibt verschiedenste Veranstaltungen, die auf den Inseln stattfinden, je nach Jahreszeit gibt es religiöse Feste, dann den Karneval vor der Fastenzeit, lokale Erntedankfeste und Festivals mit antiken Wurzeln aus heidnischen Traditionen abgeleitet.

Wenn ich an Griechenland denke, erinnere ich mich immer an mein Buch mit der “Allgemeinen Geschichte” von Osvaldo R. de Souza aus meiner High School Zeit und dem Kapitel  Zivilisationen der Klassik.

Als Erich und ich beschlossen, Griechenland zu besuchen, wurde ich von einem Gefühl der Spannung und großen Neugier erfüllt. Ich erinnere mich noch gut, wir kamen in Athen (ein Thema für einen anderen Beitrag) in der Morgendämmerung an. Wir nahmen ein Taxi und fuhren direkt zum Hafen von Piräus, um auf einem dieser schnellen Booten unsere drei geplanten Inseln zu besuchen: Mykonos, Santorini und Ios.

Zuerst besuchten wir Mykonos. Die Postkartenansicht der Insel sind die Windmühlen und  die weißen Häuser mit blau und rot bemalten Fenstern und Türen. Mykonos hat ein belebtes Zentrum mit engen Gassen, vielen Geschäften, Restaurants und Bars, wirklich ein Ort voller Charme und Schönheit. An den Ufern des Meeres Fischerboote mit Oktopus, ein Szenario wie im Kino. Der Ort verfügt über viele gute Restaurants, das Essen ist köstlich, dazu ein griechischer Wein namens Retsina, eine wahre Lebensfreude.

Von Mykonos, können Sie mit dem Boot Delos besuchen, eine der wichtigsten archäologischen Stätten in Griechenland, es war zunächst ein wichtiges religiöses Zentrum, dann ein sehr aktiver Handelshafen.

Die Insel Ios ist bekannt für seine Nachtlokale, für seine schönen Strände und für die mehr als 400 Kapellen. Es ist auch der Ort, wo Homer begraben wurde. Die Diskotheken, die weißen Häuser, die blauen Kuppeln der Kirchen und die vielen Bars locken jedes Jahr viele Touristen an.

Die Vulkan-Insel Santorini ist einfach nur spektakulär. Laut lokalen Legenden ist Santorini das verlorene Reich Atlantis. Seit dem Vulkanausbruch im Jahre 1450 vor Christus  hat sie die Form eines Halbmondes. Von all den Orten, die ich je in meinem Leben besucht haben, halte ich Santorini aufgrund seiner Schönheit für einen der eindrucksvollsten!

Um mehr über Griechenland zu erfahren, klicken Sie hier.

BRITAIN

 

Greek islands, spectacular beauty

Greece is located in Eastern Europe, between the Mediterranean, the Aegean and Ionian sea and is a mountainous country. There are over 2000 Greek islands, only 100 are inhabited. There are several events that take place in these islands according to the season, there are religious festivals, carnivals before Lent celebrations of local harvests, and festivals with ancient origins, derived from pagan festivals. When I think of Greece I remember my book General History of Osvaldo R. de Souza accompanying me since high school times. In this publication, when I first studied this country, it appeared in the chapter of Classical Civilizations.

When Erich and I decided to visit Greece, I was invaded by a sense of excitement and great curiosity. I remember well, we arrived in Athens  at dawn. We took a taxi  to the Port of Piraeus and there embarking on one of those fast boats  to visit three islands : Mykonos, Santorini and Ios.

First we visited Mykonos. The postcard of the island is the image of the mills with details painted in red and white houses with blue windows and doors. Mykonos has a center with narrow streets with many shops, restaurants, bars and a lot of life. It is truly a place of charm and beauty. The banks of the sea show many boats with octopus hanging, it is a scenario that can go straight to a movie screen, so beautiful it is. The place has many good restaurants, the food is delicious accompanied by a Greek wine called Retsina, a delight.

From Mykonos you can go by boat to Delos, one of the most important archaeological sites in Greece, it was an important religious center, then became a very active commercial port.

Ios is famous for nightspot, for its beautiful beaches and for having more than 400 chapels. It is also the place where Homer was buried. The discos, the white houses, the blue domes of  the churches and the many bars attract many tourists every year.

The island of Santorini, the volcanic island is simply spectacular. According to local legends, Santorini is the lost kingdom of Atlântis. Since the volcano eruption in 1450 BC the island therefore is shaped like a crescent moon. Of the many places I have ever visited in my life, I consider Santorini one of the most impressive for its beauty!

To learn more about Greece, click here.

Mikonos
Mikonos
Santorini
Santorini
Santorini
Santorini
Santorini
Santorini
Ios
Ios
BLOG GrIs8 Greek Islas
Mikonos
Ferry boat
Ferry boat
Santorini
Santorini
Santorini
Santorini
Praia Vermelha em Mikonos
Praia Vermelha em Mikonos
Famoso por do sol em Santorini
Famoso por do sol em Santorini
Mikonos
Mikonos

Voando para o outro lado do mundo

bandeiradobrasil

Voando para o outro lado do mundo

Sempre gostei de viajar e conhecer novos lugares. À medida que o tempo foi passando, as viagens foram se destinando para locais mais distantes. Até que chegou o momento de conhecer o outro lado do mundo: a China e outros países localizados naquela parte do planeta. Na proporção que a ansiedade ia aumentando para o dia da viagem, eu ia começando a sentir um medo de ficar tanto tempo em um avião, afinal seriam quase 35 horas de voos, conexões e esperas nos aeroportos São Paulo, Barcelona, Cingapura e Pequim. Confesso que essas horas passaram de forma não tão difícil quanto eu esperava. O segredo foi tomar muita água, caminhar, ficar em pé, ir ao banheiro muitas vezes (você precisa se levantar para se deslocar até o toalete), fazer alongamentos e aproveitar para ver aqueles filmes que você não teve tempo para ver nos últimos tempos (o voo para entre São Paulo e Barcelona oferecia um catálogo com 278 filmes de vários países do mundo). Como passamos muito tempo sentados, acho importante se usar uma meia elástica. Eu e Erich usamos uma com média compressão.

Viajar para o outro lado do mundo não é tão assustador quanto eu pensava. Erich e eu decidimos quando formos viajar para o outro lado do mundo novamente, talvez para Austrália, Nova Zelândia, vamos voar até Santiago e de lá seguir viagem, fica mais perto. Vale muito a pena conhecer essa outra parte do planeta!

bandeiradaalemanha

Ein Flug auf die andere Seite der Welt

Ich liebe es zu reisen und neue Orte zu sehen. Im Laufe der Zeit macht man dann Reisen in immer weiter entferntere Länder. Bis es dann schliesslich an der Zeit ist, die andere Seite der Welt kennenzulernen wie z.B.China und weitere Länder auf diesem Teil unseres Planeten. Mit dem Tag der Reise kam auch die Angst und die Frage, wie man wohl so eine lange Zeit in Flugzeugen überstehen würde.  Unsere 35-stündige Reise brachte uns vom Airport São Paulo via Barcelona und ​​Singapur schliesslich nach Peking. Ich gebe zu, dass diese vielen langen Stunden leichter vergingen als ich das erwartet hatte. Das Geheimnis war, viel Wasser zu trinken, oft gehen, sich dehnen und stretchen, viel stehen, um z.B. die Toilette aufzusuchen.  Das Filmprogramm war super und hilfreich, auf dem Flug zwischen Sao Paulo und Barcelona konnte man z.B. aus einem Katalog von 278 Filmen aus verschiedenen Ländern der Welt seinen Film aussuchen. Da man so viele Stunden sitzend verbringt erschienen uns elastische Strümpfe mit einer mittleren Kompression als sehr hilfreich.

Die Reise auf die andere Seite der Welt war weniger anstrengend und auch weniger gefährlich als ich dachte. Erich und ich entschieden uns, dass, falls wir wieder auf die andere Seite der Welt reisen werden, vielleicht nach Australien und Neuseeland, dass wir dann zunächst nach Santiago  fliegen, um von dort dann unsere Reise nach Neuseeland in nur 12 Stunden fortzusetzen. Fazit: es lohnt sich allemal, andere Teile  unseres Planeten kennenzulernen!

BRITAIN

Flying across the world

I always liked to travel and see new places. With the time passing the trips were being intended for more distant locations. Until it was time to know the other side of the world: China and other countries located in that part of the planet. The proportion of anxiety was rising to the day of travel, I was starting going to feel a fear of being so long on a plane, almost 35 hours of flights, connections and delays at airports from Sao Paulo via Barcelona and ​​Singapore to Beijing. I confess that these hours passed less difficult as I expected. The secret was to drink plenty of water, to walk, to stand, to stretch and to enjoy seeing  movies.   The flight between Sao Paulo and Barcelona offered a catalog of 278 films from various countries of the world. As to spend a lot of time sitting, I find it also important to use an elastic stocking. Me and Erich used one with medium compression.

Travel to the other side of the world is not as scaring as I thought. Erich and I decided, that when we travel to the other side of the world again, perhaps to Australia and New Zealand, that then we will fly first to Santiago and from there the following trip to New Zealand is only 12 hours. Anyhow, it is very worthwhile to see other parts of our planet!

 

DSCN1313

IMG_1977