Todos os posts de Erich e Marcia

Erich é alemão, editor e fotógrafo, e eu sou arquiteta. Desenvolvemos uma parceria de trabalho e, em consequência, já publicamos três livros impressos e cinco digitais. Dois dos impressos versam sobre o estado do Rio Grande do Norte (66 Razões para descobrir o Rio Grande do Norte e deliciar-se com ele e Guia das Belezas do Rio Grande do Norte com exemplos de conservação ambiental), e o terceiro sobre o Brasil (66 x Brasil). Os livros digitais são: 66 x Brazil (somente em inglês), Natal e as belas praias do Rio Grande do Norte, Deserto do Atacama –Neve e Céu Azul, 66 Belezas do Brasil, 66 Sehenswürdigkeiten in Brasilien e Aventuras e Impressões de Viagens.Os três primeiros estão disponíveis na Ibooks da Apple e os outros na Amazon.com.São livros informativos e de fotografias, alguns dos quais contêm textos explicativos, em várias línguas, sobre os locais retratados. Viajamos muito para fotografar e conhecer os lugares que enfocamos em nossos livros.

Paris, sempre uma nova surpresa

bandeiradobrasil

Paris, sempre uma nova surpresa

IMG_5809 (2)
Beatriz, Edson e Breno

Texto: Beatriz Oliveira, médica, viajante convidada, quase uma francesa

Fotos da cidade: Erich Ettensperger

Já estive em Paris em 4 ocasiões. Inclusive já morei lá por 3 meses no verão de 2013. Mas a Cidade – Luz sempre tem surpresas e este ano chegamos a noite no aeroporto de Orly e antes de aterrissar tivemos a linda visão de Paris iluminada e a Torre Eiffel piscando loucamente suas luzes. Inesquecível! Se tiver opção de escolher sugiro chegar a noite sempre! 

Meu marido e parceiro de viagens sempre fala que só se conhece a cidade quem anda por ela e no caso de Paris isso é uma verdade inescapável. Essa cidade de ruas planas, a Lutecia dos romanos, nos convida a caminhar. Planeje seus passeios com calma e leve seus tênis mais confortáveis. Sua estadia será muito mais proveitosa. 

Em Paris não há como se evitar os locais mais famosos: Arco do Triunfo, Torre Eiffel, Louvre, Champs Elyssés, Notre Dame, Hotel de Ville. São os must-see e valem a pena. Mas depois disso tente arranjar tempo para fazer o que tornou Paris famosa: andar calmamente por seus boulevards, flanar, perder-se em cenários que parecem saídos de algum filme. Sugiro o bairro do Marais, de preferência no domingo. O resto da cidade vai estar com a maioria do comércio fechado mas o Marais vai estar numa animação deliciosa. Os jovens descolados estarão por lá, procure pelo “melhor falafel cidade” e enfrente a fila que já estará formada, vale a pena! 

Paris pode ser religiosa na Rue du Bac com a Capela da Medalha Milagrosa. Será sempre mundana e coquete no Moulin Rouge. Tem a Sacré-Coeur branca e irreal no topo de Montmartre chamando a oração enquanto que ao seu redor os artistas de rua pedem um trocado para se manterem.  

Paris tem sempre uma nova surpresa para nos revelar. Encontre a sua.

Para conhecer mais sobre Paris, clique aqui. 

bandeiradaalemanha

Paris, immer wieder  neue Überraschungen

Text: Beatriz Oliveira,  Ärztin, erfahrener Reisender

Fotos von der Stadt: Erich Ettensperger

Ich war nun 4 mal in Paris und habe im Sommer 2013  drei Monate dort gelebt – Licht offeriert immer Überraschungen und in diesem Jahr kamen wir in der Nacht auf dem Flughafen Orly an und vor der Landung hatten wir eine schöne Aussicht auf Paris und den Eiffelturm mit seinen wie verzückt blinkenden Lichtern . Unvergesslich! Wenn Sie die Wahl haben,  dann sollten sie nachts ankommen!

Mein Mann und Reisepartner sagt immer, dass Sie eine Stadt nur dann kennen, wenn Sie sie zu Fuss erlaufen haben und das ist im Fall von Paris eine unbestreitbare Wahrheit. Diese Stadt der ebenen Straßen, die Lutetia der Römer, lädt uns zum Gehen ein. Planen Sie Ihre Reise in Ruhe und tragen Sie Ihre bequemsten Schuhe. Ihr Aufenthalt wird so noch  geniessenswerter werden.

In Paris gibt es keine Möglichkeit die bekanntesten Sehenswürdigkeiten zu vermeiden: der Triumphbogen, der Eiffelturm, Louvre, Champs Champs Elyssés , Notre Dame, Hotel de Ville, sie sind das “Muss-Programm” und sind dies auch einfach wert. Aber danach nehmen Sie sich die Zeit, um das zu machen, was  Paris so berühmt macht: flanieren sie gemütlich auf seinen Boulevards, schlendern sie umher, verloren in Szenarien wie aus Filmkulissen.

Ich schlage das Marais-Viertel vor, vorzugsweise am Sonntag und seine Atmosphäre . Die Jugendlichen  suchen  nach der “besten Falafel in der Stadt” und bilden Warteschlangen, und dieses Ambiente ist es allemal wert!

Paris kann in der Rue du Bac mit der Kapelle der “Wunderbaren Medaille” religiös wirken, wird aber immer weltlich und kokettierend im Moulin Rouge bleiben. Es hat das weiße und unwirklich anmutende Sacre Coeur auf dem Montmartre zum Gebet aufrufend, während gleichzeitig  die Straßenkünstler um Aufmerksamkeit und ein kleines Trinkgeld buhlen.

Paris hat immer wieder  neue Überraschungen anzubieten. Finden Sie sie.

Um mehr über Paris zu erfahren, klicken Sie hier.

BRITAIN

Text: Beatriz Oliveira, doctor, invited guest, almost a French

City photos: Erich Ettensperger

Paris, always  new surprises

I have been in Paris on 4 occasions. Even since I lived there for 3 months in the summer of 2013. Light – always offers surprises and this year we arrived at night at Orly Airport and before landing we had a beautiful view onto Paris and the Eiffel Tower and its lights were like madly flashing. Unforgettable! If you have the option I suggest arriving there at night!

My husband and travel partner always says that you only know a city if you discover it by walking and in the case of Paris this is an inescapable truth. This city with flat streets, the Lutetia of the Romans, invites us to walk. Plan your trips with calm and carry your most comfortable shoes. Your stay will be much more enjoyable.

In Paris there is no way to avoid the most famous sites: Arc de Triomphe, Eiffel Tower, Louvre, Champs Elyssés , Notre Dame, Hotel de Ville. They are the “must-see” and simply worthfile.

But after that try to have time to do what Paris makes famous: walk calmly on its boulevards, strolling around, getting lost in scenarios that seem emerging from a movie. I suggest the Marais district, preferably on Sunday. The rest of the city will be with most businesses closed but the Marais will be full of delightful animation. The young hipsters are there, look for the “best falafel of city” and face the queue that is already formed, it is worth!

Paris may be religious in the Rue du Bac with the Chapel of the Miraculous Medal. Will always worldly and coquettish at the Moulin Rouge. His white and unreal Sacre Coeur on top of Montmartre calling prayers while around the street performers ask for some attention and small money.

Paris always has new surprises to reveal. Find them.

To learn more about Paris, click here.

Sacré-Coeur
Sacré-Coeur

 

 

Champs Elyssés
Champs Elyssés
Torre Eiffel
Torre Eiffel/Eiffel Tower/Eiffelturm

Cabo Horn, o ponto extremo da América do Sul

bandeiradobrasil

Cabo Horn, o ponto extremo da América do Sul

Localização do Cape Horn. Fonte: http://www.worldatlas.com/aatlas/infopage/capehorn.htm
Localização do Cape Horn. Fonte: http://www.worldatlas.com/aatlas/infopage/capehorn.htm

Antes de apresentar minhas impressões sobre o Cabo Horn, informo alguns dados geográficos sobre o mesmo. O Cabo Horn está localizado no Estreito de Drake (separa a América do Sul da Antártica), na extremidade do arquipélago chamado Terra do Fogo, na Ilha de Horn. Esse conjunto de ilhas é constituído pela Ilha Grande da Terra do Fogo e pelas ilhas menores. O lugar conhecido por Terra do Fogo pertence à Argentina e ao Chile. O Cabo Horn está localizado em solo chileno.

Antes de existir o Canal do Panamá (inaugurado em 1914), os navios que necessitavam ir do Oceano Atlântico para o Pacífico (e vice e versa) precisavam contornar a América do Sul e passavam, dessa forma, pelo Cabo Horn. Era uma travessia difícil devido à força do vento que sopra da direção oeste. Segundo relatos, aproximadamente 800 navios naufragaram nesse ponto, em torno de 10 000 pessoas morreram.

Erich e eu contornamos esse cabo em fevereiro de 2016. Começamos o contorno desse ponto por volta das 17 horas do dia 08/02/2016. O mar estava agitado, escuro, com ondas com espuma branca e o tal vento soprava forte, eu senti respingos de chuva.

Cape Horn9 Blog

Montanhas pedregosas observavam em silêncio nossa passagem. As mesmas montanhas que presenciaram tantos naufrágios. Depois de quase uma hora, avistamos, primeiro, um farol, da estação naval, a bandeira do Chile. Em seguida, escutei a voz do capitão do navio avisando que estávamos passando em frente ao Cabo Horn. Nesse ponto, estávamos a apenas cerca de 2,5 horas de avião da Antártica. Senti uma emoção forte e pensei naqueles que perderam suas vidas em busca de atravessar de um oceano para outro. Devido à nebulosidade, próximo ao mencionado farol, avistamos um ponto branco que sinalizava o ponto extremo da América do Sul.

Cape Horn3 Blog

Esse ponto branco que vimos, era parte de um monumento que existe no local, que abriga também uma base naval chilena e um museu. Há uma família que reside nesse lugar. Cada ano essa família é substituída por outra. Há passeios que conduzem turistas até a esse cabo, mas o desembarque dos mesmos depende das condições climáticas.

Cape Horn5 Blog

Não achei a paisagem deslumbrante. Porém, o cenário se encheu de beleza à medida que atravessávamos o Canal de Beagle, o Estreito de Magalhães*,onde pudemos montanhas com neve, baías, fiordes, glaciares, cachoeiras e fantásticos por do sol.

Hoje em dia, o Cabo Horn é o maior cemitério de navios do mundo. O vento forte continua lá, afinal a natureza é a mesma, mas os navios dos tempos atuais são regidos por uma sofisticada tecnologia e o Cabo Horn deixou de ser aquele lugar assombroso e se tornou uma atração turística.

* Nome dado em homenagem a Fernão de Magalhães, navegador português, ficou famoso por organizar a primeira viagem de circunavegação em torno da terra, no período entre 1519 – 1522. Ele foi o primeiro navegador europeu a atravessar essa passagem no ano de 1520.

bandeiradaalemanha

Kap-Horn, der südlichste Punkt von Südamerika

Localização do Cape Horn. Fonte: http://www.worldatlas.com/aatlas/infopage/capehorn.htm
Localização do Cape Horn. Fonte: http://www.worldatlas.com/aatlas/infopage/capehorn.htm

Kap-Horn, der südlichste Punkt von Südamerika

Kap Horn liegt auf Horn Island in der Drake Passage, die Südamerika von der Antarktis trennt, am Ende des Archipels Feuerland,. Diese Inselgruppe besteht aus der großen Insel Feuerland und kleineren Inseln. Der Ort bekannt als Feuerland gehört zu Argentinien und Chile. Kap Horn befindet sich auf chilenischem Terrain.

Bevor der Eröffnung des Panamakanales im Jahre 1914 mussten die Schiffe vom Atlantik zum Pazifik (und umgekehrt) Südamerika und somit das Kap Horn umrunden. Es war eine schwierige Reise wegen der starken Westwinde. Berichten zufolge wurden hier etwa 800 Schiffe und starben um die 10.000 Menschen.

Im Februar 2016 umschifften wir Kap Horn. Wir begannen die Umrisse dieses Ortes gegen 17 Uhr am  8. Februar zu erkennen, das Meer war rauh, dunkel, mit hohen Wellen und weißem Schaum, der Wind war sehr stark und der Regen prasselte auf uns ein.

Cape Horn9 Blog

Felsige Berge beobachteten unsere Passage in aller Stille. Die gleichen Berge, die viele Wracks sanken sahen. Nach fast einer Stunde sahen wir zuerst einen Leuchtturm, die Naval Station mit der chilenische Flagge. Dann hörte ich die Stimme des Kapitäns, dass wir gerade Kap Horn passieren würden, zu diesem Zeitpunkt etwa nur 2,5 Flugstunden von der Antarktis entfernt. Ich verspürte  darüber starke Emotionen und gedachte derjenigen, die ihr Leben  auf der Suche nach der Passage von einem Ozean zum anderen verloren hatten und hier ihr kaltes und nasses Grab fanden. Durch die Wolkendecke in der Nähe des Leuchtturms sahen wir den weißen Punkt, der den äußersten Punkt von Südamerika signalisierte.

Cape Horn3 Blog

Dieser weiße Punkt ist Teil eines Denkmales, das Kap ist aber auch chilenischer Marinestützpunkt und beherbergt ebenso ein Museum. An diesem Ort wohnt auch immer eine Familie, die jedes Jahr durch eine andere ersetzt wird. Es gibt Touren auf das Kap, aber die Anlandung ist schwierig und hängt immer stark vom Wetter ab.

Cape Horn5 Blog

Die Landschaft und das Wetter bei der Kapumrundung empfanden wir nicht als atemberaubend schön, allerdings änderte sich dann das Szenario  als wir später dann den Beagle-Kanal  und die Straße von Magellan* durchkreuzten, wo wir wilde, schöne Berglandschaften, Schnee, Buchten, Fjorde, Gletscher, Wasserfälle und grandiose Sonnenuntergänge beobachten konnten.

Heute gilt Kap Horn als der größte Schiffsfriedhof  der Welt. Der starke Wind ist immer noch der gleiche, die Natur ist die gleiche, aber die Schiffe und ihre moderne Techniken  haben Kap Horn zu einer Touristenattraktion werden lassen.

* Name zu Ehren von Ferdinand Magellan, portugiesische Seefahrer, der für die erste Weltumsegelung (1519 -1522) berühmt wurde. Er ist der erste europäische Seefahrer, der diese Passage im Jahr 1520 durchquerte.

BRITAIN

Cape Horn, the extreme point of South America

Localização do Cape Horn. Fonte: http://www.worldatlas.com/aatlas/infopage/capehorn.htm
Localização do Cape Horn. Fonte: http://www.worldatlas.com/aatlas/infopage/capehorn.htm

Before presenting my impressions of Cape Horn some geographic data on it. The Cape Horn is located in the Drake Passage (separates South America from Antarctica), at the end of the archipelago called Tierra del Fuego, on Horn Island. This group of islands consists of the Big Island of Tierra del Fuego and smaller islands. The region known as Tierra del Fuego belongs to Argentina and Chile. The Cape Horn is located on Chilean soil.

Before the Panama Canal (opened in 1914), vessels needed to go from the Atlantic Ocean to the Pacific (and vice versa) around South America and the Cape Horn. It was a difficult journey because of the wind force that blows from the west. According to reports, approximately 800 ships were wrecked at this point, around 10 000 people died.

Erich and myself surrounded the Cape around 17 hours of the day 08/02/2016. The sea was rough, dark, with high waves with white foam and the wind was so strong, I felt rain splashes.

Cape Horn9 Blog

Rocky mountains watched in silence our passage. The same mountains that witnessed many shipwrecks. After almost an hour, we saw first a lighthouse, Naval Station, the Chilean flag. Then I heard the voice of the captain informing that we were just passing in front of the Cape Horn. At that point, we were just about 2.5 hour flight-time from Antarctica. I felt a strong emotion and thought in those who lost their lives seeking to cross from one ocean to another. Near to the mentioned lighthouse, we saw a white point that signaled the extreme point of South America.

Cape Horn3 Blog

Thiswhitepointthatwesaw, waspartof a monumentthatexistsonsite, whichalsohouses a Chilean naval base and a museum. There is a familythatresides in thisplace. Eachyearthisfamily is replacedbyanother. There are toursthatleadtourists to the Cape, butthelandingtheredependsstronglyon actual weatherconditions.

Cape Horn5 Blog

I did not find the scenery stunning . However, the scene was filled with beauty when we crossed later the Beagle Channel and the Strait of Magellan*, where we could observe beautiful wild mountains with snow, bays, fjords, glaciers, waterfalls and fantastic sunsets.

Today, Cape Horn is the largest cemetery of ships in the world. The strong wind is still there, after all the nature is the same, but the ships nowadays are equipped with   sophisticated technology and so Cape Horn could become also a tourist attraction.

* Name given in honor of Ferdinand Magellan, Portuguese navigator, became famous for organizing the first circumnavigation trip around the earth, in the period between 1519 – 1522. He was the first European navigator crossing this passage in 1520

Veneza é um sentimento

Veneza é um sentimento

IMG_5810

Texto: Marjorie Madruga, procuradora do Estado, nascida e moradora em Natal, RN – que também é, quando brilha o sol e se está diante do mar, uma “felizcidade”.

Foto: Erich Ettensperger

Desde o primeiríssimo instante que meus olhos encontraram Veneza – ainda saindo da estação de trem – senti um arrebatamento, uma emoção inexprimível, uma falta de ar. E uma vontade imensa de chorar. E chorei. Fui atacada pela “Síndrome de Stendhal”, todos os dias naquela terra de sonho. É beleza em excesso para um só coração e, infelizmente, temos apenas um. Haverá algo mais belo? Mais inusitado? Mais especial e único?

Veneza é mais que uma città. É um sentimento que exige, como o amor, todos os sentidos. Uma città para mudar a nossa vida, assim como os grandes amores. Veneza é um exemplo de permanência, ainda que possua um ar de fragilidade. Uma combinação harmônica, mágica e fatal de beleza, valor histórico, arte, romantismo, sedução.

Cada cidade certamente tem um cheiro e um som próprio. A música de Veneza é composta do som das águas, dos passos, vozes e sinos tocando. Solamente. Veneza não é apenas uma città única. É uma experiência emocional única. Uma città dentro do mar, criando caminhos d’água e uma rotina de vida anfíbia. Como não ser meio anfíbio alí? Como, vivendo há anos na água, não se ter guelras e escamas? Veneza casou com o Mar. Casamento que anualmente é lembrado numa cerimônia solene, quando seus habitantes voltam às águas do Adriático, procuram bancos de areia – origem da construção da cidade – e lançam sobre suas ondas não mais pedras ou blocos de argila, mas alianças e alianças, que reafirmam o casamento e o amor que alí se inaugurou há 1.500 anos.

É estranho olhar seus habitantes exercendo hábitos banais e cotidianos. Mas há em todos os venezianos uma relação de amor, e também de ódio – segundo me disseram – com a città. Penso que quem aqui viveu toda a vida não pode ser igual aos demais mortais. Não é possível. Veneza impõe reverência e solenidade. Sentia-me sempre andando de joelhos. Lentamente, contemplativamente, silenciosamente. Prendendo a respiração. Porque ela impõe silêncio, contemplação, devoção, entrega. Veneza nasceu de uma quimera, e suas origens realçam sua vocação para o sonho e sua atmosfera irreal. Em que tempo se vive alí? Tudo alí arranca suspiros – La Città dei Sospiri. Não é uma città para a contemporaneidade. Talvez por isto seus jovens partam, buscando o futuro. Ou será o espírito de seus navegadores, sempre em busca de aventuras, ousadias, novos mundos, novos desafios, que os inspiram? Seguramente Veneza não seria a mesma sem eles. O espírito destes a fez. E fico pensando neste espírito de aventura, de desbravamento de seus navegadores, que queriam trazer o mundo para Veneza.

Veneza foi ao Oriente e enfeitou-se, para enfeitiçar. É uma città profundamente feminina. Bela e sensual. E misteriosa. Talvez a mais feminina de todas as cidades. Mas tudo que trouxe do Oriente – especiarias, perfumes, sedas, veludos, pedras preciosas, arquitetura – assimilou com personalidade e originalidade. E depois parou. Há 500 anos. Obra perfeita que é. Esplêndida e irreal.

Alí todos os ângulos são belos. E se vê além do visível. A cidade fascina pela convivência da arquitetura árabe – imponente e rica – contrastando com a simplicidade das casinhas italianas; pelo luxo dos interiores barrocos, pelas janelas floridas e velhas roupas estendidas – acenando adeuses ou boas vindas?

É uma cittá que desperta o sagrado e o profano – St. Marco, St.Salute/ Carnaval, Casanova. É poesia. Um poema curto e profundo. Emocional e não racional, mas que não abre mão da forma. Uma città de caminhos labirínticos como o amor. Perde-se sempre, ainda que com mapas. Mas existem mapas para o amor?

Veneza exige alma – e corpo, a completude. Exige mais coração que cabeça . Veneza vive numa “era” que não mais existe. Não digo que não seja uma città triste. Mas ela imprime calma, paz, quietude… É uma città silêncio. È uma città para ser vivida a dois. É romântica demais para um. Potencializa qualquer solidão. O silêncio, a beleza, o romantismo que está impregnado alí pede acasalamento.

Subitamente senti-me profundamente íntima de tudo ali. Par a passo com uma certa melancolia, como se tivesse perdido algo ali. Tive um sentimento de perda…O que perdi?

Descobri uma Veneza de “campos” – como os venezianos chamam suas praças -, com árvores, crianças jogando bola, velhos sentados nos bancos e pais brincando com seus filhos. Uma Veneza um pouco estranha para a imagem fabricada e cultivada que existe em cada um de nós , que consiste em uma Veneza de águas, gôndolas e becos estreitos. Aliás, estes becos são, em todos os sentidos, becos de perdição….Em alguns deles se perdeu Dirk Bogart, borrou aflito a maquiagem na busca desesperada pela beleza inatingível de Tadzio no belo Morte em Veneza.

Eles ritmam, também, a vida tranqüila, sem pressa. Não é a toa que é conhecida como La Sereníssima.

Não existem referências para se conhecer Veneza. Sempre se chegará lá em estado “bruto”, despreparado para sua beleza estonteante. É uma terra do além. Quando o vaporeto partiu no meu primeiro dia , no meio das brumas, pensei que estivesse adentrando em um sonho…

Se um dia me perguntarem quando entrei em “êxtase de beleza”, responderei seguramente: em VENEZA.

Como, depois de Veneza, habituar os olhos às cidades comuns?”

Para conhecer mais sobre Veneza, clique aqui.

Venezia
Veneza, Venezia

 

Monte Roraima: jornada espiritual e de grande beleza

“Jogando meu corpo no mundo,
Andando por todos os cantos
E pela lei natural dos encontros
Eu deixo e recebo um tanto (…)”
(Mistério do planeta – Luis Galvão/Moraes Moreira)

Blog Monte R 15

Texto e fotos: Anne Rocha – 32 anos, aventureira incorrigível, jornalista viciada em endorfina e especializada em Educação e Tecnologia.

Desde 2010, me dedico a fazer viagens que acrescentem leveza à minha alma e reiniciem o meu sistema operacional, me ajudando a enfrentar o dia a dia corrido de jornalista. Destinos como Chapada Diamantina, Jalapão e Sertão mineiro, das quais guardo ótimas lembranças e lindas fotos, me tornaram sem dúvida uma pessoa melhor.
Minha última aventura foi conhecer o Monte Roraima, na Venezuela, em outubro de 2015. O lugar já estava na minha lista há tempos, mas adiei um pouco, esperando que a febre da novela global “Império” (cuja ficção remetia ao Monte) passasse, fator que onerou bastante o preço da viagem durante um período. Pesquisa daqui em blogs de mochileiros, pechincha dali, entrei em contato com a única agência brasileira habilitada pela Embratur a guiar aventureiros na trilha do Roraima. Há empresas venezuelanas que oferecem o serviço, mas infelizmente, por questões de (in)segurança é mais difícil para mulheres sozinhas – como era o meu caso – atravessar a fronteira Brasil/Venezuela, fazer câmbio e demais trâmites necessários à viagem sem conhecer a região. Então, optei por começar meu roteiro na cidade de Boa Vista, capital do estado de Roraima, extremo norte do país. Foi lá que conheci as pessoas que me acompanhariam nos nove dias seguintes e que se tornariam minha família. A Família Roraima, que ainda tem muito a desbravar juntos pelo mundo a fora!

Família Roraima
Família Roraima

Também foi lá onde ouvi o briefing mais realista de todas as viagens que já fiz. A trilha nem de longe é fácil, se você pensa em visitar o Monte Roraima, falo sério, prepare-se e não tenha frescura. Aliás, é uma boa hora para despertar o lado guerreiro espartano que temos escondido dentro de nós. Toda atenção ao caminho é pouca: longas caminhadas diárias, temperaturas que não deixam a desejar a qualquer deserto (quente durante o dia, frio pacas durante a noite), animais peçonhentos, MUITOS mosquitos.

Longas caminhadas
Longas caminhadas

As maiores dicas para aproveitar bem a experiência é levar a sério as orientações que os guias lhe passam, abusar do protetor solar, do repelente, do Clorin e evitar ao máximo acidentes que necessitem de resgate – feito só por meio de helicóptero e quando as condições climáticas permitem.
Porém, não se assuste… acredite, a viagem vale totalmente a pena, cada segundo dela. Qualquer risco é compensado ao ver as paisagens mais inacreditáveis e ao sentir o coração palpitar ao perceber a pulsação de cada pedra. Fauna, flora e formações rochosas que só existem ali, preservadas e quase intocadas, há milhões e milhões de anos.

Blog Monte R 8
Flora local
Eu, extasiada com tanta beleza.
Formações rochosas que só existem ali.

O Monte Roraima é um dos sete tepuis que compõem a região chamada de Gran Sabana e é frequente a sensação de que o tempo por aquelas bandas não passou, que um dinossauro pode aparecer na sua frente a qualquer momento (depois fui descobrir que cenas do primeiro Jurassic Park foram filmadas por lá, rs). Geologicamente, constituem uma das formações mais antigas do planeta, datando do período pré-cambriano.
Saindo de Boa Vista, cruzei a fronteira com meu grupo, de sorriso no rosto, mochilão, bolívares (moeda corrente), certificado de vacinação internacional (vacina contra febre amarela em dia é obrigatória) e RG em punho (Venezuela e Brasil fazem parte do Mercosul, prescindindo de passaporte na alfândega). Passamos uma noite em Santa Elena de Uiarén e seguimos para o Parque Nacional Canaima, onde fica a aldeia indígena Paratepui, início efetivo da subida até o Monte.

Parque Nacional Cannaima, Venezuela
Parque Nacional Canaima, Venezuela
Arco-íris: surpresas no caminho.
Arco-íris: surpresas no caminho.

Daí para a frente, os dias foram intensos, plenos de experiências incríveis que mudaram a minha vida. A energia do lugar é tão forte que lhe sacode a alma: o Tepui é vivo! Acordávamos às 4h30 cheios de disposição e dormíamos com frequência antes das 20h, só com a luz das estrelas e da lua. A cada dia, sob as bençãos de Makunaima, entidade protetora da região, eram novas belezas, descobertas e aventuras nos quase 3000 mil metros de altitude. Rios, cachoeiras, rochas erodidas que se assemelham às construções do Camboja, cavernas que servem de acampamento, vales cobertos de cristais, marco da tríplice fronteira (Brasil, Guiana, Venezuela), jacuzzis com água a 15 graus – compensando os mais corajosos com alívio e recuperação dos músculos, tendões e articulações -, nuvens que passam “dentro de você”.

As águas transparentes das piscinas naturais.
Jacuzzis com água a 15 graus
Nosso acampamento.
Nosso acampamento.
A beleza da paisagem a partir da tenda onde acampamos.
A beleza da paisagem

São paisagens de tirar o fôlego e não desgrudar os olhos.

Nuvens e o Monte Roraima, ao fundo.
Nuvens e o Monte Roraima, ao fundo.

Ainda faltaram muitos lugares para conhecer, tanto no topo quanto ao longo do Parque; voltarei. Porém, nem só disso é feito o Monte Roraima. Ele é composto, sobretudo, por pessoas maravilhosas. Para além dos companheiros caminhantes, sempre prontos para uma prosa, uma palavra de incentivo, uma mãozinha, um afago, pude contar com os melhores guias e carregadores locais. Bravas mulheres e homens indígenas com quem aprendi e me emocionei demais, que cuidaram de nós com muito carinho e estavam sempre prontos a ajudar, nas pequenas e grandes dificuldades que pudessem aparecer. Que nos contavam histórias e lendas com brilho nos olhos, nos inspirando o devido respeito para com o local e nos fazendo perceber o quanto a alma deles é intimamente ligada àquele tepui. Um misto de seres fantásticos protetores, preservação, cultura e ancestralidade que hipnotizam e não dão vontade de ir embora.

Blog Monte R 13
O Monte Roraima é composto, sobretudo, por pessoas maravilhosas.

Resumindo a viagem em duas palavras, posso dizer: mãos estendidas. Foi uma jornada espiritual, de autossuperação, autoconhecimento e afeto, em que dei e recebi só o melhor. Na volta ao Rio de Janeiro, onde moro, passei dias chorosa, sentindo falta da tranquilidade desconectada, da calmaria alentadora, da sensação de absurda liberdade e da paixão arrebatadora que vivi por lá (sim, essas coisas não acontecem só em filmes, rs). E cada vez mais me convenço de que a vida só vale a pena se nos permitimos fazer viagens que nos arremessem para fora da nossa zona de conforto, que nos desafiem, fazendo com que vivenciemos experiências maravilhosas. Meu conselho: permita-se, sempre é tempo!

Blog Monte R 10
Monte Roraima: beleza espetacular
Vista deslumbrante a partir do Monte Roraima.
Vista deslumbrante a partir do Monte Roraima.

Bremen, a cidade dos animais músicos

bandeiradobrasil

Bremen, a cidade dos animais músicos

A primeira vez que ouvi falar sobre Bremen foi através de um conto dos Irmãos Grimm, aquele que conta a estória dos animais que eram músicos e assustaram um bando de ladrões. Foi a escultura que retrata esses animais músicos, localizada nos fundos da prefeitura  (Rathaus, em alemão), de Bremen que vi primeiro no centro da cidade.

O coração de Bremen é constituído pela praça do mercado, pela prefeitura, pela Catedral. É nesse local onde está localizada a famosa estátua “Roland”. Mas, o que chama mesmo a atenção do visitante é a beleza do edifício da prefeitura, um dos mais belos prédios que vi naquela viagem. O centro de Bremen reúne belos exemplares arquitetônicos. Nas proximidades dessa área, caminhamos uns 10 minutos e chegamos numa área constituída por ruas estreitas, fruto de um traçado medieval, uma área definitivamente deslumbrante, conhecida como Schnoor. Hoje esse pedaço de Bremen abriga lojas, ateliês de artistas, cafés e restaurantes. Há alguns metros dali, se caminha mais um pouco e chega-se às margens do Rio Weser. Lá, existe uma concentração de bares e restaurantes, eles são frequentados pelos habitantes de Bremen e pelos turistas que visitam a cidade e ficam lotados e bem animados durante o verão.

Bremen tem muitos espaços verdes, lagos com patos, o que confere um ar romântico à cidade.

Se você gosta de apreciar prédios com linhas arquitetônicas arrojadas, criativas, não deixe de visitar o Centro de Ciências do Universum (veja o post sobre ele aqui), com formas arredondadas, que lembram uma grande espaçonave pousando em um lago.

Bremen é definitivamente uma cidade que vale a pena ser visitada e apreciada.

Para saber mais sobre Bremen, clique aqui.

bandeiradaalemanha

 

Bremen und die Bremer Stadtmusikanten

Das erste Mal hörte ich von Bremen in einem Märchen der Brüder Grimm, das die Geschichte der Tiere erzählt, die Musiker waren und Diebe vertrieben haben. Die Skulptur, die diese Musiker(tiere) porträtiert steht an der Seite des Rathauses.

Das Herzstück von Bremen besteht aus dem Marktplatz, dem Rathaus, der Kathedrale. Dies ist dort, wo ist die berühmte Statue des “Roland” steht. Das faszinierende Gebäude der City Hall war eines der schönsten Bauwerke auf dieser Reise. Das Zentrum Bremens offeriert viele attraktive architektonische Beispiele. Ganz in der Nähe erreichen wir das berümte Viertel “Schnoor” bestehend aus engen Gassen und kleinen farbigen Häusern  mit kleinen Geschäften, Ateliers, Cafés und Restaurants. Ein paar Meter weiter gelangen wir schon an die Ufer der Weser mit einer Vielzahl von Bars und Restaurants, ein sowohl von den Einwohnern als auch den Touristen v.a. im Sommer sehr beliebter und geschätzter Ort zum Verweilen.

Bremen hat viele Grünflächen, Teiche mit Enten, die der Stadt einen romantischen Flair verleihen.

Wenn Sie ein Gebäude mit sehr kreativer Architektur  genießen wollen, dann sollten Sie das Universum Science Center besuchen mit seinen abgerundeten Formen, das sehr an ein großes Raumschiff bei der Landung auf einem kleinen See ähnelnd.

Bremen ist definitiv eine Stadt, die es wert ist, besucht und geschätzt zu werden.

Um mehr über Bremen zu erfahren, klicken Sie hier.

BRITAIN

 

Bremen, the city of musicians animals

The first time I heard about Bremen was through a tale of the Brothers Grimm, which tells the story of the animals that were musicians and scared a bunch of thieves. The sculpture that portrays these musicians animals is located at the town hall.

The heart of Bremen consists of the market square, the town hall, the cathedral. This is where there is also located the famous statue of “Roland”. But what really draws the visitor’s attention is the beauty of the building of the City Hall, one of the most beautiful buildings I saw on this trip. The center of Bremen gathers beautiful architectural examples. Near this area, we walked about 10 minutes and arrive in an area made up of narrow streets, the result of a medieval layout, one definitely stunning area known as “Schnoor”. Today this piece of Bremen is home of small shops, artists’ studios, cafes and restaurants. A few meters away we arrive at the banks of the River Weser. There is a concentration of bars and restaurants, they are frequented by the inhabitants of Bremen and tourists visiting the city and are well animated and crowded during the summer.

Bremen has many green spaces, ponds with ducks, which gives a romantic flair to the city.

If you like to enjoy buildings with bold creative architectural lines, be sure to visit the Universum Science Center (see the post about it here), with rounded shapes, which resemble a large spaceship landing on a small lake.

Bremen is definitely a city that is worth being visited and appreciated.

To learn more about Bremen, click here.

Centro de Bremen/Bremen Zentrum/Bremen Center
Centro de Bremen/Bremen Zentrum/Bremen Center
Os músicos cantantes/Die Bremer Stadtmusikanten/The Bremen city musicians
Os músicos cantantes/Die Bremer Stadtmusikanten/The Bremen city musicians
Show na praça principal/Vorführung auf dem Marktplatz/Show on main square
Show na praça principal/Vorführung auf dem Marktplatz/Show on main square
Prefeitura/Rathaus/City Hall
Prefeitura/Rathaus/City Hall
Schnoor
Schnoor
Centro de Bremen/Bremen Zentrum/Bremen Center
Centro de Bremen/Bremen Zentrum/Bremen Center
Centro de Ciências do Universum
Centro de Ciências do Universum

 

 

Saigon ou Ho Chi Minh City: a cidade das motocicletas

Saigon ou Ho Chi Minh City: a cidade das motocicletas

A imagem que tinha de Saigon era de uma cidade efervescente, com cantoras asiáticas que cantavam nas casas noturnas durante a Segunda Guerra Mundial, quando muitos estrangeiros circulavam por lá, essa era a imagens que eu tinha da Saigon dos filmes.  Visitei a cidade, que continua efervescente, mas devido ao transito caótico. Ho Chi Minh City, o novo nome para Saigon tem uma  população de aproximadamente sete milhões de habitantes e é famosa pelo papel que desempenhou na Guerra do Vietnã.

São cinco milhões e meio de motocicletas que circulam entre os quinhentos mil automóveis. Além das motocicletas tem também as bicicletas. Para nós, ocidentais, a circulação de motocicletas é impressionante. Você vê motos que transportam tubos metálicos para construção com seis metros, moto que transporta grande coroa de flores para funeral, moto que transporta móveis, moto que transporta galinha amarrada pelos pés pendurada no volante da moto e até moto que transporta pequeno santuário de madeira (é comum ver esse tipo de santuário, que se assemelha pequenos templos, nas varandas das casas).  Vi motos com um passageiro, com dois, com até quatro passageiros. Vi também uma mãe amamentando um bebê na garupa de uma moto. Segundo informações prestadas pelo que guia que nos mostrava a cidade, são poucos acidentes que ocorrem nas ruas de Saigon. Mais acidentes ocorrem nas rodovias, onde as pessoas morrem por dirigir embriagadas. Os motoristas apressados que dirigem esses veículos buzinam bastante e dirigem rápido. Todos usam capacete, sem exceção. As mulheres, além do capacete, usam óculos e lenços que cobrem o rosto nas partes onde os óculos do sol não protegem. Usam também proteção de tecido, para os braços, de forma de nenhuma parte fique exposta no sol.  Elas se parecem com ninjas.

No meio da confusão do trânsito, você ver pessoas atravessando a rua com bastante tranquilidade. Apesar do aparente caos, eles respeitam os pedestres.

Dessa forma, concluímos que mesmo caótico para nós, o trânsito flui muito bem entre os vietnamitas, que sabem administrar aquele trânsito sem regras.

Com toda essa movimentação de motos e carros, observamos uma cidade que encontra-se crescendo e melhorando sua infraestrutura. Ainda é preciso muitos anos para que Ho Chi Min possa alcançar o patamar de desenvolvimento de Xangai e Hong Kong.

Para conhecer mais sobre  Ho Chi Minh City, clique aqui.

Incensos oferecidos aos deuses em um templo vietnamita
Incensos oferecidos aos deuses em um templo vietnamita
Motos e bicicletas
Motos e bicicletas
Interior do prédio dos Correios
Interior do prédio dos Correios
Catedral de Notre Dame
Catedral de Notre Dame
Central dos Correios de Saigon
Central dos Correios de Saigon
O barco
O barco
Ho Chi Min City e as motos
Ho Chi Min City e as motos
Saigon ou Ho Chi Minh City
Saigon ou Ho Chi Minh City

Aceita um churrasquinho de escorpião?

bandeiradobrasil

Aceita um churrasquinho de escorpião?

Visitar o Mercado Noturno de Pequim é mergulhar numa atmosfera de cores e exotismo, o que contrasta com seu entorno.

A Rua Wangfujing Dajie, onde acontece o mercado noturno está encravada numa área caracterizada pela presença de arrojados e luxuosos shopping centers e edifícios comerciais, cravejados por anúncios luminosos e atrativos.

O pórtico de entrada da Rua Wangfujing Dajie é colorido e chama a atenção de quem passa. O mercado atrai pelas suas cores e seu cheiro. São várias as lojinhas que vendem artesanato, bijuterias, comidas e bebidas. É enorme quantidade de pessoas que visita esse mercado, são habitantes de Pequim e os turistas. Você caminha com dificuldade. As fotos que ilustram esse post foram feitas com muito esforço.

Mas, o que chama mesmo atenção de todos são os quiosques que vendem os churrasquinhos de escorpião e de serpentes. Eles ficam espetados na varinha ainda com vida, você pode optar com comprar o churrasquinho com o escorpião já frito ou esperar que ele seja frito na hora. Existe aquele turista que gosta de provar, degustar tudo e outros que são mais cautelosos. Eu olhei os escorpiões (tenho pavor deles), vi pessoas saboreando-os, porém, não arrisquei e quando cheguei no hotel não quis mais jantar. Cada um tem um gosto, não é mesmo? Uma amiga minha disse que provaria…

Visitar o Mercado Noturno de Pequim é sem dúvida uma experiência inesquecível para pessoas que apreciam conhecer novas culturas e visitar a China é realmente uma experiência inesquecível!

Para conhecer mais sobre a China, clique aqui.

bandeiradaalemanha

Akzeptiert einen Skorpion Kebab?

Besuchen Sie den Night Market in Peking ist tauchen in einer Atmosphäre von Farbe und Exotik, die mit der Umgebung kontrastiert.

Die Wangfujing Dajie Street, wo passiert, den Nachtmarkt ist in einem Bereich, gekennzeichnet durch das Vorhandensein von mutigen und luxuriöse Einkaufszentren und gewerbliche Gebäude stecken, durch helle und eingängigen Anzeigen besetzt.

Die Eingangshalle der Wangfujing Dajie Straße ist bunt und lenkt die Aufmerksamkeit der Passanten. Der Markt zieht durch seine Farbe und seinen Geruch. Es gibt mehrere Läden mit Kunsthandwerk, Schmuck, Essen und Trinken. Es ist riesige Menge von Menschen, die in diesen Markt besuchen, sind Peking Einwohner und Touristen. Sie gehen nur mit Mühe. Die Fotos, die diesen Posten zu veranschaulichen mit viel Mühe gemacht.

Aber was macht darauf aufmerksam, auch von allen sind die Kioske, die Kebabs Skorpionen und Schlangen zu verkaufen. Sie stecken in der Zauberstab noch am Leben ist, können Sie wählen, um den Grill mit dem Skorpion bereits gebratene kaufen oder zu erwarten, dass es vor Ort gebraten werden. Es gibt ein Tourist, der zu schmecken, probieren alles, was gefällt und andere sind vorsichtiger. Ich schaute Skorpione (bin von ihnen erschrocken), sah ich Menschen genießen, sie aber wollte ich nicht riskieren, und als ich im Hotel ankam wollte nicht bis zum Abendessen. Jeder hat einen Geschmack, nicht wahr? Ein Freund von mir, sagte er zu beweisen wäre …

Besuchen Sie den Night Market, Peking ist zweifellos ein unvergessliches Erlebnis für Menschen, die das Lernen über neue Kulturen zu genießen und China ist wirklich ein unvergessliches Erlebnis!

Um mehr über China erfahren, klicken Sie hier.

BRITAIN

Accepts a scorpion kebab?

Visit the Night Market in Beijing is immerse in an atmosphere of color and exoticism, which contrasts with its surroundings.

The Wangfujing Dajie Street, where happens the night market is stuck in an area characterized by the presence of bold and luxurious shopping malls and commercial buildings, studded by bright and catchy ads.

The entrance porch of Wangfujing Dajie street is colorful and draws the attention of passers by. The market attracts by its color and its smell. There are several shops selling handicrafts, jewelry, food and drink. It’s huge amount of people who visit this market are Beijing residents and tourists. You walk with difficulty. The photos that illustrate this post were made with much effort.

But what draws attention even of all are the kiosks that sell kebabs scorpions and snakes. They get stuck in the wand still alive, you can choose to buy the barbecue with the scorpion already fried or expect it to be fried on the spot. There is one tourist who likes to taste, taste everything and others are more cautious. I looked scorpions (‘m terrified of them), I saw people enjoying them, however, I did not risk and when I arrived at the hotel did not want to dinner. Each has a taste, is not it? A friend of mine said he would prove …

Visit the Night Market, Beijing is undoubtedly an unforgettable experience for people who enjoy learning about new cultures and visit China is truly an unforgettable experience!

To know more about China, click here.

Churrasquinho de serpentes
Churrasquinho de serpentes

 

A variedade de objetos comercializados é grande
A variedade de objetos comercializados é grande
Máscaras chinesas
Máscaras chinesas
Outras iguarias são vendidas no mercado
Outras iguarias são vendidas no mercado
Muita gente visitando o mercado
Muita gente visitando o mercado
Churrasquinho de escorpião
Churrasquinho de escorpião
Churrasquinho de escorpião
Churrasquinho de escorpião
Mercado noturno de Pequim
Mercado noturno de Pequim